Blog

Parasitas colocam a saúde dos pets em risco

  1. 19 Nov 2018
  2. 498
Parasitas colocam a saúde dos pets em risco

O radar do tutor precisa ficar sempre alerta contra a ação de pulgas e carrapatos. Estes seres são responsáveis por um dos mais frequentes problemas dermatológicos nos pets, a Dape (Dermatite alérgica à picada de ectoparasitas), uma doença que atinge cães e gatos. Trata-se de uma hipersensibilidade provocada por uma reação à saliva dos parasitas ao entrar em contato com a pele do animal.

A manifestação da doença acontece a partir de um prurido intenso na pele do animal, que busca aliviar a coceira provocada pela picada do parasita. O comportamento mais comum do pet é se esfregar em superfícies ou lamber excessivamente a região atingida do corpo.

Apesar de ser umas das prováveis causas, a coceira pode ser sintoma de uma série de outras ocorrências. Para fazer o diagnóstico preciso do problema, é necessário que o animal passe por uma consulta com o veterninário. Só a partir daí é possível começar o tratamento.

Após o animal já ter sido picado pela pulga ou carrapato e a alergia começar, outros sintomas podem ser notados, como, por exemplo, lesões decorrentes do ato incessante e intenso do animal se coçar para aliviar.

Dentre essas lesões, é possível observar alopecia, que é a falha no pelo, pelos quebrados ou secos, uma descamação da pele que lembra a caspa. Outro sinal é a alteração visível da cor do pelo, podendo ser a liqueinificação – que é apresentar uma pele espessada – ou a hiperpigmentação – como o próprio nome sugere, a cor da pele escurece.

As pulgas e os carrapatos preferem ficar em certas partes do corpo, o que facilita consideravelmente as rotinas de prevenção. Estes parasitas costumam ficar na base do rabo e na região lombar dorsal, se espalhando depois para as coxas, virilha e abdômen do pet.

Essas são as partes do corpo o cachorro, especialmente, mais coça e o faz com certa intensidade, é importante que sejam realizados diversos testes para detectar outros possíveis agentes de alergia, utilizando de exames de sangue, citologias, culturas de materiais etc. 

Após ser confirmado que não há outra possibilidade de contaminação e tendo o animal apresentado pulgas ou carrapatos, além dos sintomas mais claros, se inicia o tratamento para erradicar a Dape e, ao mesmo tempo, o seu transmissor.
 

Deixe um Comentário